Radioatividade

Alguns átomos, principalmente os de grande massa, se desintegram espontaneamente, manifestando radioatividade.

Pierre Curie e Marie Curie, o casal Curie, estudou a radioatividade dos sais de urânio. Eles verificaram que todos os sais de urânio tinham a propriedade de impressionar chapas fotográficas. Concluíram que o responsável pelas emissões era o urânio (U).

  

Fizeram muitas experiências, extraindo e purificando o urânio (U) a partir do minério pechblenda (U3O). Observaram que as impurezas eram mais radioativas do que o próprio urânio. Separaram, em 1898, das impurezas, um novo elemento químico, o polônio (Po), em homenagem à terra natal de Marie Curie, a Polônia. O polônio é 400 vezes mais radioativo do que o urânio.

Mais experimentos foram feitos pelo casal e foi descoberto outro elemento químico, o Rádio (Ra), 900 vezes mais radioativo que o urânio. Este elemento torna luninescente (azulado) quando está no escuro e torna fluorescente algumas substãncias como ZnS, BaS, etc.

Os átomos dos elementos radioativos são muito instáveis. Por este motivo, a radioatividade se manifesta pela emissão de partículas do núcleo do átomo ou de radiação eletromagnética.

Desintegração ou Decaimento Nuclear – processo onde os núcleos instáveis emitem partícula e ondas eletromagnéticas para conseguir estabilidade.

Só é radioativo o elemento que tem seu núcleo instável. A estabilidade do núcleo atômico é determinada pelo número de massa (A), ou seja, quantidade de prótons mais nêutrons. A estabilidade só é rompida nos átomos com número de massa muito grande. A partir do polônio (Pó-84), todos os elementos têm instabilidade.

Há alguns átomos mais leves com núcleos instáveis, em proporções mínimas. São os chamados isótopos radioativos ou radioisótopos.

  

Como referenciar: "Radioatividade" em SóQ. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2018. Consultado em 21/07/2018 às 12:10. Disponível na Internet em http://soq.com.br/conteudos/ef/radioatividade/